Translate

segunda-feira, 11 de março de 2019

Exportar para o Irã


 

Exportação é a saída de bens, produtos e serviços do país de origem. Esta operação pode envolver pagamento, como venda de produtos, ou não, como nas doações.
Exportar um produto de um país para outro é um processo burocrático e caro. Dependendo do produto, os trâmites podem levar de semanas a meses, sem falar nos investimentos em cada etapa da transação.
Existem muitos passos a serem seguidos até o fechamento do negócio a ser exportado.
As empresas em geral procuram na internet outras empresas que irão comprar seus produtos e serviços, depois de uma longa busca na internet, e conversar com as pessoas interessadas, chegou a hora de fechar o nogócio.
A exportação de um país para outro segue procedimentos diferentes dependendo do produto, mas no geral, os documentos ou a documentação são as mesmas. Existe a legalização dos documentos, junto aos cartórios, Itamarty e Embaixada. 
Dependendo do país, os documentos não precisam serem legalizados no Itamaraty, pois estes participam do acordo de Haia, a Convenção relativa à supressão da exigência da legalização dos atos públicos estrangeiros, popularmente conhecida como apostila da Convenção da Haia, é um acordo estabelecido pela Conferência da Haia de Direito Internacional Privado (HCCH). A convenção determina as modalidades nas quais um documento expedido ou autenticado por autoridades públicas podem ser certificados para que obtenha valor legal nos outros estados signatários. Tal certificação é chamada "apostila" (em francês apostille). Seu objetivo consiste em facilitar transações comerciais e jurídicas, já que consolida num único certificado toda a informação necessária para gerar validade a um documento público em outro país signatário.

A Convenção relativa à supressão da exigência da legalização dos atos públicos estrangeiros foi assinada em 5 de outubro de 1961 na cidade da Haia, Países Baixos, tendo entrado em vigor em 24 de janeiro de 1965. A apostila só tem valor entre os países signatários da convenção. Dessa forma, se o país onde se necessita utilizar o documento não participa da Convenção, será necessária uma legalização diplomática.
O Irã, entre outros países, não fazem parte deste acordo, neste caso, os documentos tem que serem reconhecido firma em Cartório, depois passado no Itamaraty e por último no consulado ou embaixada. 
A legalização dos documentos junto ao Itamaraty não são pagos, dependendo da quantidade de documentos podem serem legalizados no mesmo dia, se forem muitos demera de 02 a 04 dias, os documentos podem serem enviados pelos correios podendo demorar de 04 a 10 dias.
Exportar para o Irã, trás em si muitos obstáculos, em primeiro lugar, existe a difuldade das empresas se comunicarem, outro impecílio é devido as sanções econômicas imposta pelas grandes nações do globo, sendo a de maior destaque os Estados Unidos. 
Mas estes problemas não tem sido sufientes para parar as exportaões para o país persa, pois só o Brasil exportou  2.267,93 US$ Milhões.
Gráfico com os dados de exportação brasileira para o Irã em 2018

Se por um lado existem muitas dificuldades para exportar para o Irã, por outro existe um país com muitas oportunidades de investimentos. 
De qualquer forma independete qual seja o país, existem certos procedimentos a serem adotados antes do processo de exportação, existem certos órgãos responsáveis por auxiliarem empresas no momento de fazer estes trâmites.

segunda-feira, 4 de março de 2019

Melhor época de Férias para o Irã


Férias o tempo bm para o descanso
A vida não é só trabalho, o ser humano  precisa de um tempo para relaxar, um tempo para viajar, para festeja, se divertir e essas palavras lembram apenas uma: FÉRIAS !



Não existem vools direto para o Irã saindo do Brasil
Férias é um assunto tão comum, que nem precisa se descrever seu significado, todo trabalhador sabe exatamente o sentido desta palavra, automaticamente, identificamos que férias é um descanso dado ao trabalhador, a cada ano trabalhado, neste caso os dias pertinentes as férias são de 30 dias, sendo que, o período de descanço pode variar de acordo com a legislação de cada país.
Programar as férias é uma ótima dica para a viagem possar ser 100%
As férias são tempo de curti, de descanço e juntando tudo isso, resulta em muita diversão e acrescenta-se mais, descoberta, é neste perído em que as pessoas escolhem viajar para um país diferente para aprender uma língua, ou conhecer aquele país do sonho.
Atravessa-se muitos oceanos para chegar ao Irã
E nestas viajens surgem muitas histórias, as quais ficaram marcadas para sempre na memória, tanto na pessoal, quanto nas mídias como: câmeras, celulares, computadores, e atualmente nas nuvéns.
E para curtir tudo isso, nada melhor do que escolher o país certo, a época certa entre outros atributos que farão desta escolha a melhor da vida. Por que, férias independentemente da data ou tempo, o importante é que existam!
E cá estamos nós falando de férias e falando de escolhas do país idela para este descanso, vamos então falar sobre o Irã, muitos acharam que não é um local ideal, pois existem muitas notícias negativas e aterrorizantes, mas na real, não é assim não. A verdade é que o Irã, é muito seguro, tem uma das pessoas mais receptivas do mundo, tem um suporte ótimo no setor turístico, possuindo hotéis 5 estrelas e barato, tem também empresas que fazem pacotes turísticos do mundo todo.
Fachada de Hotel 5 estrelas no centro de Teerã-Capital do Irã
Mesa preparada para receber clientes em Teerã
Vista aérea de grande hotem em Teerã
É verdade que um pacote turístico para lá, não fica tão barato, mas em comparação a outros lugares, está na média. Quando as pessoas escolhem o Irã como destino turístico, vem uma série de dúvidas as quais são lógicas e compreesíveis. Muitas pessoas perguntam se mulher pode ir para lá desacompanhada, se é seguro, entre outras questões. O Irã é um país mulçumano e tem certos diferenciais na cultura, mas as mulheres podem andar sozinhas, sendo que, o país persa é uma das nações mais seguras do mundo.
Bandeira asteada no centro de Teerã a capital do Irã
E por que ir para o Irã? A resposta está na própia história, este país está inserido em uma região, onde foi cenário de grandes reinados, grandes nações, muitos dos conhecimentos científicos que a medicina moderna possui, nasceu nas terras persas.
Imagem do Rei Ciro o Grande
Estátua em homenagem ao Rei Ciro
O reinado de Ciro, que foi o rei da Pérsia entre 559 e 530 a.C., construiu o maior império até então visto na História. Com esta pequena descrição do que se vai encontrar no Irã, pode-se concluir que é um local fantástico para o turismo. Dependendo da época escolhida, terás uma série de eventos a ser visto, mas para quem prefere ver a neve, escolha os meses de outubro, novembro e dezembro, para se deslubrar com as montanhas brancas desta época.

sexta-feira, 1 de março de 2019

Qual a língua falada no Irã?

Já se falou muito do Irã aqui no blog, onde temos a oportunidade de mostrar um pouco da cultura persa para os brasileiros, os quais a cada ano descobrem um novo local para conhecer, mas até agora não falamos sobre o idioma que é falado no dito país, neste post vamos mostrar um pouco da língua falada no Irã. 
Diferença entre o Persa e Árabe

NOSSO PATROCINADOR
Faça a sua compra na loja e ganhe um super desconto, os produtos são enviados pelos correios para todo o Brasil
Veja a nosso laja e nos ajudem com este trabalho fantástico sobre a cultura persa.

Veja as promoções dos Celulares na minha loja
https://www.magazinevoce.com.br/magazinecleydaltonmoura/
A língua oficial do Irã é o farsi, também conhecido como parse ou pársi, é um idioma do subgrupo das línguas iranianas por sua vez pertencente ao ramo indo-iraniano da grande família indo-europeia. Comum mesmo é ver as pessoas se confundirem a língua farsi, com o árabe, as quais se asemelham muito, visto que os caracteres são muito parecidos, mas a semelhança não quer dizer nada com o sentido da frase, de um modo mais prático, estes dois idiomas se comparariam com o Português e o Espanho, que tem certas semelhanças, mas são totalmente diferentes em sentido e pronúncias. 
manuscrito do século XIV , em persa
O farsi é falado no Irã (Irão) e pela diáspora iraniana, no Afeganistão onde é oficialmente denominado dari e no Tajiquistão, onde é denominado tajique. O persa também é falado por minorias no Iraque, Uzbequistão, Turquia, Emirados Árabes Unidos, Barém entre outros. É definido pela maior parte dos linguistas como uma continuação do persa médio, a língua literária e religiosa oficial do Império Sassânida, que por sua vez sucedeu ao persa antigo, língua do Império Aquemênida.

Poema de Hafez no papel velho na palavra persa 

Qume quiser comprar este poema em farsi, o link acima 
tem este como outros artefatos da cultura Persa
 O persa é uma língua pluricêntrica, e sua gramática é semelhante à de muitos idiomas europeus contemporâneos. A língua persa foi o principal meio de difusão para as contribuições literárias e científicas na metade oriental do mundo islâmico. 
Alfabeto Persa
O persa teve uma influência considerável nos idiomas vizinhos, especialmente nas línguas turcomanas da Ásia Central, Cáucaso e Anatólia, nas línguas iranianas vizinhas, bem como no armênio, árabe e outros. Também influenciou alguns idiomas da Ásia Meridional, especialmente o urdu, bem como, em menor escala, o hindi, o punjabi, o sindi, o saraiki, o sylheti e o bengali.
Fonte de pesqusa
https://pt.wikipedia.org/wiki/L%C3%ADngua_persa

quarta-feira, 27 de fevereiro de 2019

Existem Brasileiros que moram no Irã

Como é a vida de alguém que mora fora de seu país de origem? Quais os obtáculos que estas pessoas encontram na nova terra? Quais as vantagem de morar fora? 
Estas são algumas perguntas que zunem na cabeça de qualquer pessoa que panejam se aventurar mundo afora. Esta decisão tende a transforma a vida de qualquer ser humano. É uma dicisão muito importante que tende a ser estudada com cautela e sabedoria.
Anúncio da Magazine
Se estes cuidados todos são necessários para se ter exîto na nova vida, imagina ir morar em um país onde tudo é diferente?
Pois é, morar no Irã trás em si estas preocupaçoes ao quadrado. Mas será que existem brasileiros vivendo e morando no Irã? E se tem, por que escolheram morar lá?
Em primeiro lugar, o Irã é um país totalmente seguro, não tem nada a ver com as notícias em que são divulgadas pela imprensa. 
Mas vamos responder ao questionário que é muito interessante e importante a ser exclarecido. 
Pergunta
1) Existem brasileiros vivendo e morando no Irã? Sim. Existem brasileiros morando e vivendo no Irã. 
2) E se tem, por que escolheram morar lá?
É uma pergunta muito interessante, a medida que a vida é uma roda gigante, as pessoas não tem como prever o destino, ainda não temos aquela bola mágica que conta tudo. Mas os brasileiros que moram no Irã, todas elas tem uma longa e bela história por trás da dicisão de morar lá. Uns é por trabalho, muitos jogadores de futebol, outros se casaram com iranianos e por isso seguiram suas almas gêmeas. Outros decidiram morar, por que foram a turismo e gostarma tanto do país que construíram a vida no país persa. 
3) Como é viver no Irã? 
Para responder esta questão, é importante aprofundarmos um pouco na história desta nação. O Irã está localizado no Oriente Médio, e até 1979, era uma nação de costumes ocidentais. 
As coisas mudaram com a chegada do aiatolá Khomeini ao poder, este novo governo transformou o país em uma nação regida pela religião Islâmica, tornando a vida dos jovens iranianos bem difentes, onde certos costumes foram abolidos e proíbidos. Na vestimenta, as mulheres tende a usar um vél para sair as ruas, os homens tende a usar calças sendo vedado o uso de short camisas regatas. 
Os estanjeiros não fogem a regra, devem seguir o que manda o código religioso. Mas para os brasileiros que lá vivem, isso não é um problema. 

terça-feira, 12 de fevereiro de 2019

Shiraz, a Cidade dos Poetas

Veja o vídeo sobre Shiraz no youtube
Shiraz, a cidade dos poetas - falar das cidades do Irã, é de certa forma uma misão empolgante e encantadora.
Nos faz sentir como os velhos contadores de histórias, os navegantes como Marco Pólo, entre outros que cortaram os oceanos em busca de aventuras e especiarias.
a cidade aqui exposta se chama Shiraz, a cidade dos poetas, como também a dos jardins e dos rouxinóis, além do vinho que leva seu nome, vale lembrar que não se produz mais vinho, sendo a uva cultivada somente para exportação, haja vista a revolução islâmica.
Shiraz possue vários monumentos os quais valem a pena serem visitados, e um deles é o belíssimo mausoléu do poeta Hafez (do século 14),os iranianos dão muito valor a este poeta.




Prato típico do Iã
Cabe ao visitante, conhecer o belo Museu Narenjestan, em um prédio rodeado por alamedas de antigos ciprestes, pés de romã e canteiros de rosas, jardins inspirados na concepção persa do paraíso.
Shiraz localiza-se a sudoeste do Irã, situa-se a 1 580 metros de altititude, sendo a área de 340 km², pela estimativa de 2005, possuia 1 255 955 habitantes.
Na sua história, consta que esta cidade foi fundada no século VII, Xiraz foi a capital do Império Zand entre 1750 e 1794, e por um breve período na era Safárida. Em 1794, os Qajars transferiram a capital para Teerã.
Para visitar esta cidade, ou outra no Irã, todas as nacionalidades necesitam tirar o visto, que pode ser obitido de duas formas: no consulado em Brasília-DF, ou o visto na chegada, este último é somente para algumas nacionalidades, incluissive a brasileira e se for de turismo, o visto de negócio, deve ser tirado no consulado iraniano em Brasília-DF, o tempo para ser emitido demora de 7 a 10 dias úteis. 
O que você precisa saber antes de viajar:
  • DDI do Irã é +98
  • DOCUMENTOS É preciso ter visto para entrar no país. Custa R$ 125, demora cerca de 15 dias para ser emitido e deve ser solicitado à Embaixada do Irã em Brasília (61/3242-5733, webiran.org.br) com pelo menos quatro semanas de antecedência da viagem.
  • DINHEIRO Cartão de crédito é um instrumento inútil no Irã, mesmo nos hotéis. Há duas moedas em circulação, mas a mais usada é o rial. Um real brasileiro, na data de fechamento desta edição, equivalia a 5 936 rials. Euros são mais fáceis de trocar. Procure pelas casas de câmbio no aeroporto, na Rua Ferdosi e na Avenida Jomhuriye Eslami.
  • COMPORTAMENTO homens não podem usar bermudas nem camisetas muito justas ou com mensagens consideradas profanas. As mulheres devem cobrir braços, cabelos e pernas com roupas largas até os joelhos, e nada de maquiagem. As regras são fiscalizadas pela polícia moral, e quem não obedece é levado à delegacia para assinar um documento se comprometendo a vestir-se de forma mais conservadora. Turistas, porém,costumam receber apenas advertências verbais.
  • COMO CHEGAR Do Brasil, não existem voos diretos para Teerã. A Turkish (11/3371-9600, flyturkish.com.br) faz conexão em Istambul, desde US$ 1 914; a Emirates (11/5503-5000, emirates.com/br), em Dubai, desde US$ 2 282; a Qatar (11/2141-2100, qatarairways.com), em Doha, desde US$ 1 783. Há rotas diretas partindo das principais capitais europeias. A KLM (11/4003-1888, klm.com), por exemplo, tem voos saindo deAmsterdã, desde € 971; e a Lufthansa (11/4700-1700, lufthansa.com), desde € 449, partindo de Frankfurt.
Fonte desta matéria, com algumas adaptações
https://viagemeturismo.abril.com.br/materias/ira-no-ira/
Todas as imagens deste post foram cedidos por um leitor e turista brasileiro que está visitando o Irã, nossos agradecimentos pelas fotos.
Canal no youtube falando de Shiraz
Dúvidas ou informações entre em contato através do nosso email: cleydaltonmoura@gmail.com

quinta-feira, 7 de fevereiro de 2019

Grupo iraniano Navaye Mehr music Band no clube do choro em Brasília

Com o espaço lotado e uma platéia animada, participativa, o Clube do Choro recebeu o Grupo iraniano Navaye Mehr music Band, que levou alegria e aimação para os Brasilenses na quarta feira dia 06 de fevereiro, o evento persa ocorreu as 21:00 horas.
Veja o vídeo no canal Youtube

Falar da cultura persa é entender que este país se consagra como uma das mais antiga civilizações da história, e a música entra no hall da fama como destaque, pois esta fala com a alma e emociona o ouvinte.
Navaye Mehr music Band
Objet de decoraão persa

Instrumento musical da banda 

Santoor - Instrumento musical



Objeto de decoração
O Grupo iraniano Navaye Mehr music Band, vei a Capital Federal para mostrar um pouco da cultura iraniano através da música, esta é uma linguagem universal, os istrumentos musicais tem os nomes meio complicados sendo eles: Daff, tombak, bendir, se por um lado os nomes dos instrumentos soam estranhos os sons emitidos por estes, são estremamentes lindos e agradáveis.

A missão do grupo é difundir a cultura e as melodias produzidas no Irã em todo o mundo, suas apresentações já foram vistos em muitos países incluindo: Finlândia, Chipre, México, Espanha e, também  em Brasília por duas vezes.
O fundador do grupo, o iraniano Mahdi Ayoughi, explica que, o público brasilense é caloroso, que respeita e participa bastante, a vinda do grupo ocorreu devido o convite do embaixador iraniano Sayed Ali Saghaeyan, para a comemoração da Data Nacional do Irã, segundo o diplomata “difundir a cultura de uma nação é disseminar sua própria verdade, sua essência, levando os outros povos o que é motivo de orgulho para a nossa população, segundo ele a cultura iraniana é milenar a qual se representa através da arte”.
Embaixador do Irã no Brasil - Sayed Ali Saghaeyan
Fonte: Correio Brasiliense
O tempo de estrada do grupo somam-se 15 anos, sendo que um dos objetivos é captar integrantes de diferentes países e formar uma  ‘banda global’, segundo o líder do grupo, as viagens a vários países dá a oportunidade de obterem novas performances musicais, tembém desejam se familiarizar com diferentes músicos e agregar estes aos instrumentos musicais persa, aprender é um importante passo no intercâmbio das culturas.
Apresiar a apresentação do grupo musical é se emocionar e provar que a música é realmente uma língua universal. O Clube do Choro em Brasília ficou lotado de pessoas que muitas vezes, pela primeira vez, pôde comtemplar um estilo de musical diferente mais cativante

segunda-feira, 4 de fevereiro de 2019

Clube do Choro em Brasília terá apresentação de Música Tradicional Persa


NAVAYE MEHR BAND


A música é parte da arte que fala com a alma e quem gosta da tradicional música persa iraniana, tem a oportunidade de contemplar uma apresentação no Clube do Choro em Brasília, com o grupo Navaye Mehr music Band, da banda Rad criada por Mehdi Ayiughiin em 2004, o foco principal deste grupo é expandir a música e a cultura tradicional iraniana entre os interessados ​​em música persa em outros países.
Foram muitas as apresentações feita por este grupo fora do Irã, com o objetivo de mostrar a música persa, como também mostrar os diferentes instrumentos musicais usados na dita cultura.
Navayemehr realizou shows e workshops no Irã, Emirados, Turquia, Uzbequistão, Cazaquistão, Chipre, Qatar, Taiwan, China, Finlândia, Hungria, Espanha, Brasil, México, Austrália, Nova Zelândia.
Informações do Envento




Fonte de pesquisa
http://www.clubedochoro.com.br/programacao/navaye-mehr-band/

https://www.wikipedia.org/

http://pt.brasilia.mfa.ir/