Translate

quarta-feira, 25 de março de 2015

Jornalista Mora 13 anos no Irã

Após a comemoração do ano novo Iraniano, voltamos aos nossos trabalhos normais, nossas vidas cotidianas aqui no Brasil. Pois no Irã, a coisa vai ser mais diferente, lá, eles vão comemora o ano novo por umas duas semanas. Mas este post vai ser rápido, todo mundo ao falar de irã tem aquela imagem de país complicado etc...Não vou aqui falar dos problemas envolvendo política o que não é o nosso foco, este blog tem o desejo de sempre informar sobre o que mais chama a atenção no Irã, que é a cultura.
Hoje, venho falar da experiência de um jornalista do The Washington Post, que se mudou para o Irã com sua esposa em 2002, ele fala que em 2008, se tornou chefe do escritório.
Ele comenta que, quando fala para as pessoas que viveu no Irã por 13 anos, estas pessoas ficam chocadas, se expressando com ar de assustadas falando, como é possível se viver em um país onde muitas pessoas saem as ruas denunciando o ocidente, queimam bandeiras e gritam “Morte à América”? Perguntam se não tinha medo.
Não. Eu não tinha.
As palavras deste jornalista nos surpreende a medida quando ele nos descreve um Irã moderno, super habitável e também amigável, contrariando representações que transmitem um outro lado destorcido da realidade. Em teerã tem muitos arranha-céus, outro fato interessante é a venda gigantesca do Porsche, mais vendido no Irã do que em qualquer outro lugar no Oriente Médio.
Ele fala que, o Irã se tornou um país moderno, com 70 por cento de sua população vivendo em cidades ou nas proximidades. O analfabetismo foi praticamente exterminado, mais de 60 por cento dos estudantes são mulheres. Muitos iranianos, mais de 150 mil altamente educados deixa o país anualmente, a internet está disponível.
Ele fala que morou no centro de teerã em um edificil residencial de 26 andares, tem muitos amigos iranianos e aprendeu falar persa, o que facilitou o seu trabalho.
Este post simples, só para mostrar um pouco do outro lado deste país que com certeza tem muita coisa boa a ser aproveitada.

Nenhum comentário:

Postar um comentário